Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



UE falha na eliminação das licenças excedentárias de Quioto

Quarta-feira, 31.10.12

As ONG europeias de ambiente lamentam que a UE não tenha conseguido chegar a uma posição comum sobre as licenças de emissão excedentárias do primeiro período de compromisso de Quioto, que atingem 13 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente. Depois de mais de três anos de discussão e com uma proposta clara do grupo G-77 e da China no sentido de que a utilização destes excedentes deve ser contida e minimizada, esta não-decisão coloca a UE em desvantagem nas próximas negociações climáticas que terão lugar em Novembro, em Doha, na COP18, e ameaçam um futuro acordo climático.

Um dos principais opositores à eliminação destas licenças foi a Polónia, país detentor do maior número deste tipo de licenças excedentárias, que insistiu que não devem existir limitações à utilização ou transferência das licenças para o segundo período de compromisso.  Em 1997, a Polónia comprometeu-se a reduzir 6% das emissões em relação ao ano de 1988, mas as emissões do país nesta data eram já 20% inferiores às de 1988, pelo que o excedente não resulta de um verdadeiro esforço de redução, situação que é idêntica à da Rússia e da Ucrânia. [Fonte: CDM Watch]

 

Artigos relacionados:

ONG pedem aos ministros da UE que acabem com as licenças de emissão excedentárias e salvem um futuro acordo climático

Novo estudo mostra que o Protocolo de Quioto permite emissões excendentárias que ameaçam um futuro acordo global

Conselho Europeu deve opor-se às unidades de emissões excedentárias, no âmbito do cumprimento do Protocolo de Quioto

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Quercus às 19:00

Atlas da Saúde e do Clima apela à colaboração entre saúde pública e meteorologia

Quarta-feira, 31.10.12

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Meteorológica Mundial (OMM) lançaram esta semana o Atlas da Saúde e do Clima, um documento que mostra que os riscos para a saúde humana estão a aumentar à medida que o clima do mundo continua a mudar. O documento foi lançado no Congresso Meteorológico Mundial, em Genebra, na Suíça, que termina hoje. O Atlas pretende ilustrar com mapas quais são os riscos para a saúde em caso de mudanças climáticas ou condições meteorológicas extremas e dá exemplos de como a cooperação entre os serviços de meteorologia, emergência e saúde podem salvar vidas. [Fontes: OMS/OMM e ONU]

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Quercus às 08:00